quarta-feira, 29 de março de 2017

Namorando

Bem... Antes de tudo dedico para minha querida prima Carlinha, rosa vermelha de jardim, o texto que segue.

Certamente: defendamos com unhas e dentes o conservadorismo! Não por ser ideologia mas por nada termos além de tão próximo da realidade quanto. Sejamos então coerentes? A canhota não se compõe tão-só de barangas ou tribufus. De Jandiras e Dilmas. As nossas queridas conservadoras são Afrodites de lindíssimas meu Deus do céu? Sem qualquer dúvida! Contudo lhas exaltemos aos céus sem menosprezar com exageros depreciativos, a transmitir inverdades até, quem vai na contramão do bom senso.


Vamos citar nomes? Algo bom é lembrar da beleza que sim ainda sobrevive bem vestida lamentavelmente na cor encarnada. Que tal?

Aline Piva... Manuela d’Ávila... Leandra Leal... Márcia Tiburi (Sim: Márcia Tiburi!)... Não esqueçamos também dos vários lindos seios de fora na marcha das vadias.

Sei que tais mulheres jamais verão bondade nos meus elogios externalizados aqui. Tantas delas inclusive ficam cada dia mais feias enquanto mais veteranas em ideologias revolucionárias. A revolução nunca foi bonita: nem a pernambucana. 1817 só foi belo na manutenção da nossa tradição política vinda tanto da restauração quanto de 1710: jamais pelas importações iluministas de França portanto.

Conseqüentemente só quem faz boa toalete vem a ser as supostas carolas e puritanas. Infelizmente!


Rezemos a Santa Maria Madalena para que todo coração transviado volte seus olhos à beleza da verdade que, no caso das beldades acima citadas, faz-se presença nos seus corpos nus quando contemplados ante seus espelhos. Espelhos, bem se diga, tanto materiais quantos psíquicos: estes compostos de bons exames de consciência. 

Que viva Sofia!

segunda-feira, 6 de março de 2017

Ode Nacional


Onde se faz honesta revolução.
Onde se tem Minerva novamente.
Donde também Amor Divino presente
Geometria traz: constituição

De três poderes só... Santíssima Trindade!
Com esquadria compasso vai traçar,
Oh, linda Madre da República, nosso lar!
Supremo Saber aqui canta verdade.

Capitã Beatriz quis Maria que nem
Espírito Santo pois és bendita,
Lindóia, selvagem: portanto vais sem
Mácula... Paraíso que nos habita!...

Por onde boa vontade qualquer então educo.
Nação e Povo nobre: Pernambuco.