quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Gravatá se parece sem dúvida com uma cidade de bonecas. Não acreditei quando me disseram mas é. Seu centro vem a ser bem arrumadinho com suas ruas estreitinhas e lindinhas e fofinhas e casinhas seculares de dondocas com enfeites de natal para mãínha ver bem encantadores. Garanhuns é também arrumada porém não aparenta ser cenário para “chiquititas”. Mas... Vá por os pés nas adjacências! Após um quarteirão basta. Qualquer encanto vira decepção.

Entretanto... Quaisquer cidades por estas bandas não são assim também? Ao menos ela tem algo bonito. Diferente de Caruaru.

Duas vezes transitei lá de pé. Na primeira com minha queridíssima prima Carla. Na segunda só. Nesta mais acentuou seu caráter de novela pueril: havia parque de diversão! Oh! Nunca vi? Bem... Vamos entender? Ainda por demais freqüentado! Com filas para ter a vez nos brinquedos... E todos eles a funcionar em pleno vapor... Diferente daqui, minha cidade natal, por onde vão hoje brincar neles as moscas e muriçocas.

Que saudades do meu tempo de pirralha? Bem... Talvez não. Mas... Bem... Não deixa de ter encanto!

§

Desde suas patológicas descrições hipócritas da Cúria Romana não dou mais atenção a Jorge Mário Bergoglio. Sim: está na Cátedra de Pedro. Digo mais: infelizmente!

Se Nossa Senhora diz claramente que Roma tornar-se-á pagã quem sou para discordar d’Ela? Vejamos a jerarquia: certamente devo dar atenção mais a Madre dos Céus e menos a qualquer pateta com vestimenta de cor branca.

Melhor para já vir os tempos difíceis pois também eles hão de terminar assim mais cedo. Se for para ser que seja logo com o palhaço que veio do fim do mundo. Não? 

§

Hei de falar agora do bloco carnavalesco vitoriense chamado Taboquinhas. Jamais foi, nem é, tampouco será tocador de fados. Hoje com os meios eletrônicos acoplados a rede mundial basta pesquisar e dar ouvidos aquilo que vem a ser o fado na vera para saber que tal bloco toca coisa nenhuma de fado. Nem desgarrado. Tampouco castiço! Mas então que diabras ele toca? Suas canções, se não sendo realmente, são parecidíssimas com frevo de bloco.

Contudo Vitória não pode deixar de ser aquela cidade que me dá nos nervos. Em vez de desfilarem no Recife, principalmente no Marco Zero, que nem o bloco de Moreno por exemplo, junto com todas as outras agremiações idênticas, ou quase, que nem a sua... Não! Continuemos com tal esparrela de que somos um bloco carnavalesco... De fado! Contradição entre Carnaval e fado? Não! E sim: único no Brasil. Talvez até no mundo!

Mas... Uma colher de chá: sim? Ainda talvez há possibilidade remota remotíssima de se ter tocado fado por priscas eras em algum Carnaval de minha bisavó bem espalhado no do por além-mar... Quem sabe? Sabe-se lá! Não conheço fado suficiente com especialização “ex-cathedra” para dizer se tal música já foi repertório carnavalesco português... Ora: pode! Porém o que se toca no Taboquinhas hoje, garanto, não é fado. Se foi no passado bloco de fado realmente... Pois averigüemos! Entretanto: duvideodó!  

§

Nossas inimizades figadais com os povos maometanos existirão sempre! Chega de balela sobre dialogar e coisas afins. Sabemos bem que João Batista foi dos seres humanos verdadeiramente derradeiro profeta. Que Jesus é tão excepcional que só pode ser a própria Divindade Suprema Carne de nossa carne. Que Maria teve nas suas entranhas assim o Ser por Excelência.

Que resta mais dizer?

Chega de conversa fiada! No mais: e quem não acredita na Cristandade vá dialogar debaixo de cimitarras! 



sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Constatação

Algo tão engraçado!... Não é por demais interessante que quem hoje mais exige de nós, povo católico, santidade convive, promove, também participa da devassidão mundana? Normal vem a ser entre nós mais rezarmos por quem se desvia: menos prejulgar e consequentemente fazer exigências dessas. Digo prejulgar pois quem costuma dar lição de moral praticamente todas as vezes nada conhece de moral: pior ainda se for a religiosa.

Mas além de pior... Pode? Sim: hoje pode. Virou moda fazer exaltações à putaria! Sem dúvida que cair em esbórnia não é difícil: que nem se jogar, bem comparando, duma ponte. Jamais eu desejarei pular duma ponte por ser fácil: difícil é viver mas quero vida! Vou viver mal a comer porcaria? Vou viver mal a dormir só três horas por noite? Vou viver mal com os aperreios de meu cônjuge? Vou viver mal sem tomar banho? Não interessa: quero viver!

Adrenalina? Toda libido pode ser saciada de maneira melhor.

E Jesus nos é vida das boas. Misericórdia pelo deslize! Misericórdia pela queda! Mas eu desejo viver. E conviver com o difícil é melhor que com o fácil: garanto!

Portanto... Quem exige perfeição das outras pessoas sendo da tronchura já sacaneia legal. Quem exige perfeição das outras pessoas por saber difícil praticá-la sacaneia feroz. Quem exige perfeição das outras pessoas por desejar afinal elas fora de seu bom caminho para tomar o seu pérfido sacaneia com atroz e pura maldade.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Enquanto na batalha de Tabocas nossa soldadesca praticava mil orações a Virgem Maria quem era do contra via Nossa Senhora... Pode? Gente protestante! Bem... A nossa Madre maior assim fazia proselitismo: com ajudas mil para ter Pernambuco sua vitória.

Viva Nossa Senhora da Restauração: Madre das Vitórias!

No mais é bom observar: da restauração e não da revolução.

+

O cinema pernambucano vem a ser o melhor brasileiro pois é cópia mal feita do cinema que se faz nos países europeus. Enquanto que no resto do nosso país o cinema majoritariamente vem a ser uma cópia mal feita do feito nos Estados Unidos. Simples: não?

+

Um tal de Birago, gringo, não com pouca felicidade descobri: faz análises das revoltas políticas que lhe são contemporâneas. Das registradas em seu livro, de compreender historicamente por plagas ocidentais tais acontecimentos, entre casos em França, Portugal, por Espanha, para só citar três exemplos, dos poucos nele contidos, também o Brasil está com sua... Bem: vamos adivinhar?

Restauração Pernambucana!

+

Não existiu, nem existe, tampouco bem assim existirá Pernambuco sem Igreja Católica. Certamente quem não tem consigo tal pertencimento ficará com até raiva mas a verdade só digo sem exageros ou faltas. A Tradição Católica vem a ser alma pernambucana. Desde nossa civilização Duartina principiada com devoção a Damião e Cosme; passando maus bocados com o povo protestante das índias ocidentais mas embaixo de Nossa Senhora na sua materna proteção; apesar de depormos alguém que nos governava por meio de viático fingido; sem contar a revolução feita contraditoriamente sob batinas; até Vital nos evangelizar com consciência daquilo que realmente vem a ser cristão. Então em hipótese nenhuma Pernambuco teve, tem ou vai ter existência sem o Catolicismo romano.

+

Tão engraçado ver que normalmente quem tem mais empolgação com o Papa Francisco não é do Catolicismo! Mais: quando diz ser é gente bem estranha que não tem apreço por Santo Tomás ou crê que devoção demais a Virgem Maria só pode ser prejudicial a Cristandade. Bem... Tal gente desconhece seu verdadeiro lugar: o protestantismo. Mais voltemos a linha de raciocínio. Sinto demais em dizer tão na cara mas um Papa tão querido por gente que nem aí vai com a cara do Catolicismo Romano vem a ser uma cilada daquelas, Bino! 

+

Situação vergonhosa não termos cá por Vitória missas diárias!... Qual jerarquia demoníaca vai por trás de tal estado malfazejo? Das mais altas? Quase certeza que não. O povo vitoriense vem a ser tão desleixado com as coisas augustas que bastam capetas de meia tigela para causar grande dano. Sim: éramos para ter não só missas diárias mas também em vários horários.


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Meditação às Escuras

Andar pelas ruas é triste por hoje, tanto na minha cidade natal quanto no Recife, pois elas estão desertas de gente cada vez mais cedo nos horários noturnos. Aparentadas vão assim com a madrugada cada vez mais espreguiçada na sua desenvoltura de boca da noite.

Porém até feliz seria se só fosse tal deserto composto de madrugada madrugadoira. Caminhar, inclusive, sem gente para topar é calmante para convivências mal vividas. Alguém, por exemplo, que briga feio com seu cônjuge precisa de tal passeio: não? É salutar! Inclusive tal madrugada possibilitada vai pelo repouso majoritário.

Não há repouso na triste madrugada contemporânea portanto. Ninguém dorme bem assim. Violência que se pratica com a luz até do sol a pino só poderá ser mais extravasada por horas mortas... Não? Ai principalmente de quem estiver vivendo com plenitude por elas!

E lembro já por aqui também das assombrações, de saudosa memória, tão singelas perante tamanha brutalidade de nossos tempos: suspeito de seu temor igual ao nosso por não mais ulularem por aí.

Perigo de sair às onze... Perigo de sair às dez? Sim. E perigo também de sair às nove da noite.

Vamos chegar aonde com tamanho medo? Nos hospícios? Nas ilhas? Em guerras declaradas de vez para sempre? Não sei. Sei que temo pelas nossas relações sociais tão estremecidas de pôr o pé num rumo certo de vida.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Metafísica do Sexo

Fazer amor não é mesma coisa que comer ou defecar.

Quanta gente não fala por aí que todas essas três, e mais outras genéricas, são necessidades humanas imperiosas por igual... E por causa disso melhor é praticá-las até com indiferença...

Que nem devorar ou cagar? Jamais!

Nem hei de tratar do celibato por ser algo tão óbvio!... Fiquemos agora principalmente com a nossa parte carnal.

Sexo se faz entre duas pessoas: os animais acasalam-se.

Mas... E com três ou mais números ímpares?

Alguém infeliz sem par sempre sai de sobra.

Portanto transar não traz alívio prazeroso que nem após uma mijada. Todo prazer aqui se dá no diálogo dos corpos consigo próprios.

Corpos dialogam? Entre si? Certamente que sim. E sim!


O diálogo poético, consequentemente sublime, dos corpos há quando seus entes estão enamorados um doutro pelas atrações em ambos transparentes e por ambos exercidas em prol do seu cônjuge: com ambos amor então se faz! Mente portanto quem diz que sem amor se trepa com alguém.

Meu cheiro traz algo de mim consigo... Também a minha saliva... Mais os gestos de meus toques... Assim meu corpo por inteiro registra meu ser à flor da pele para quem quiser no mínimo perceber cotidianamente seus trejeitos por aí... No máximo? Tomá-lo para si com gosto!

Não é doação de mim a Fulana de Tal dos seios fartos e das ancas largas quando com ela brinco de pega-pega?

Também não é dela de si para mim quando com ardor deseja minha mão na sua cumbuca?

De fato tantas mágoas existem nas relações sexuais hodiernas pois nos ludribiamos a pensar mal que só praticamos tais atos por esporte... Tal esporte que se fantasia por ser demanda da fantasia de necessidade corporal...

Que nem devorar ou cagar? Jamais!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017



O Concílio Vaticano II chamo de Conciliábulo sem qualquer rebuço. Nos meus estudos hei de saber, quando passíveis de melhor compreensão, se tal Conciliábulo vale para todo concílio referir ou só por sua parte mais progressista. Tomo Bento XVI por divisa na sua proposta de tal concílio ler a luz da Tradição Católica. Mas... Dá para ler assim tal balbúrdia? No pé que vou por meus estudos ainda não. E minhas esperanças baseadas no contrário são com o passar do tempo cada vez mais diminutas. 

_


Filosofar é não inventar idéias esdrúxulas e ficar com elas na cabeça pois isto vem a ser loucura. Filosofar é não respeitar opiniões sem qualquer fundamento na realidade pois isto vem a ser aceitar mentiras. Filosofar é não se pavonear por ter erudição pois isto vem a ser coisa de gente pedante. Filosofar é não brincar de discussões bobas pois isto vem a ser puerilidade.

Filosofar é coisa séria portanto.

Novidade!

_


Cadê? Não precisamos ter um Catolicismo voltado para nosso mundo moderno? Seres humanos modernos gostam é de putaria!... Prostituição sagrada já nos conventos! Em Assis as posições contorcionistas indianas de sexo com devoção executadas! Também o fogo de Pentecostes nas jovens da Renovação Carismática! Mais: vinho tomado com grandes goles nas missas e chega de pão! Em vez de Luzia, Cecília, Maria coloquemos em seus lugares, os nichos em oratórios e templos, Afrodite no chamego com Ísis! Até quem sabe seres humanos em vez das esculturas...

Assim o ser humano moderno compreenderá toda caridade cristã sem outra compreensão melhor! É: quero ver freira pelada! Já tenho, por causa daquelas saias suas bem apertadinhas a delinear lindas cadeiras, algumas do Damas em vista... Desejo receber suas excelentes instruções modernas inclusive!

_


Um casal perfeito? Clara com Francisco! Sim: Assis abençoada! Não eram gente celibatária? Portanto quem desejamos podemos amar sem sexo. Sim! É boa maneira de começarmos a ter amor verdadeiro: sem quaisquer interesses tão-só particulares.

Assim pessoas homossexuais e católicas não precisam abandonar a dedicação amorosa para seus objetos de devoção cordial.

_


A covardia clerical no Catolicismo vem a ser epidêmica por hoje. Desejam com sofreguidão agradar ao mundo.

Problema?

Sou de contemplar a Suprema Divindade. Por tal contemplação vejo sempre seu desejo de concordar com as coisas mundanas: é nenhum.



Dos ritos de missa qual vem a ser o mais simples? O de Roma fixado de vez por Pio V. Contudo tentaram-no simplificar mais ainda, distorcendo-lhe portanto, depois do Conciliábulo Vaticano II...

Moral: não tentar simplificar algo que por si simples é.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Gatas

Vezes são onças.
Outras, lebres.
Da cor das ovelhas.
Da cor das cadelas.
Coelhas prenhas...
Espertas timbus...

Mulheres enfim.



21. 03. 2017
Madrugada



sábado, 29 de julho de 2017

Que posso dizer sobre qualquer livro tornado fenômeno de vendas? A maioria não presta. Do mercado não esperemos então uma crítica literária bem feita.

São muitos e diversos os atrativos nele para quem procura leitura fácil. Todavia ler sem um desafio na busca de compreender mais e melhor a realidade tratada no livro não dá.

Pieguice faz parte. Também discurso vazio. Não há necessidade doutras palavras para definir além da que todas as possíveis resume: desonestidade.

Quem consome não deve fazer exigência de seus direitos?

+

São noites maravilhosas as que são sempre repletas de música. Música! Faço questão de sair de mim ao menos um pouco quando desejo realmente ficar contente, só conseguindo tal façanha por raras ocasiões, uma delas as que são consagradas ao frevo de bloco na noite da segunda de Carnaval.

+

Apesar das palavras duras, Eclesiastes traz conforto: daqueles que só verdades podem oferecer. É difícil conseguir tal feito. Quando consolamos fazemos o favor de bandear por um canto todas as inconveniências dos fatos. Ao propor o contrário, desandamos em impropérios, ao nosso favor inclusive. Os favores... Isto também é vaidade: já nos diz quem em Jerusalém reina.

Com tais palavras desenganadas plenas de consciência nos abrimos então ao verdadeiro conhecimento. 

+

Antão. Digamos que seu gesto de sair da convivência social para na maior parte do tempo viver em um deserto não é comum. Incomum demais até! Praticar algo que sua convicção mostra como digno de ser praticado, mesmo com possibilidade rara, não é para qualquer. Algo difícil mas que sua coragem permite fazer. Ao tomar um rumo que não pode ser compreendido pela mentalidade tacanha de quem além de si nada pode saber realmente (nem de si conseqüentemente também) Antão, sem comodismo, longe da balbúrdia do momento, tenta vislumbrar o seu real desejo. Daí decide viver no deserto.

Proporciona muitas experiências singulares a vida de quem decide ficar só. Também para quem não fica. Melhor até para quem não. Já pela renúncia de seguir a padronização majoritária da vivência que quando perdendo seu real sentido se torna fatalmente morta. 

Não fico tão só que nem tal anacoreta: mas um pouco comigo pelo menos.

+

Não vou dialogar com alguém que jamais por algum momento sentir vontade de também, em demonstrações claras, ter um diálogo comigo. Parece ser infantil mas não. Hei de respeitar os espaços alheios a mim! Se quem não abre para mim, de livre vontade, seu tempo para dialogar ao menos vez por outra comigo, com pelo menos iniciativa sua, que me resta senão me perceber invadindo sem qualquer convite?

Bicão!

+

Ao ver belas catedrais e suas alturas estonteantes,
Ao ver lindas mulheres e seus inúmeros gestos,
Ao ver tais monumentos os quais chamo de beleza
Contemplo de soslaio céu largo matinal

Sem anoitecer.

+

O frevo nasceu já com a capacidade de ser música clássica. Só lhe vem a faltar alguém que lhe faça compor assim. Capiba foi bom compositor? É. Mas precisamos dum que nem Ernesto Nazareth fazendo tanto pela música fluminense. Repito: frevo já nasceu com a capacidade de ser erudito musicalmente. Nenhum outro toque popular teve consigo tal capacidade. Por qual motivo? Melhor ouvir.

+

Admiro certas coisas pagãs. Um exemplo: seu louvor a Deusa Mãe. Sei que Deus não tem gênero mas, depois da concepção filosófica do “ser enquanto tal”, defini-lo como Mãe cabe. Preferência tenho, sem dúvida, pela derradeira nomeada metafórica. Toda figura materna tem mais proximidade com a Divindade Suprema que qualquer ser existente na realidade. “Ser enquanto tal”, por ser abstração, não é tão palpável que nem “Mãe”.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Sem Pé nem Cabeça



"O grande antecedente de Aristófanes, que riu-se dos sábios, de Voltaire, que riu-se dos padres, de todos que riem-se de tudo, o espirituoso cômico por excelência é Satã, que riu-se de Deus" (Tobias Barreto).


Satanás, com seu samba de crioulo doido, paródia da torre de babel, dinamita todas as bases de quaisquer coisas.

Oi?

Samba com dinamite? Sim!... E digo mais de pior. Assim Deus e mundo, povos e nações, instituições e quem me lê já deixam de ter sua razão de ser... Que nos resta senão o caos?

A tara de Satã pelo caos é bom tema para diversos estudos. Entretanto me restringirei por aqui na constatação do caráter tão confuso quanto periclitante que caracteriza nossa vez hodierna no mundo. Talvez a vez de sempre? Talvez! Tomam a dinamite satânica por liberdade. Consequentemente desejam construir castelos nos ares... Já deveriam saber que vão mal, demasiadamente mal, tais contos de fadas, mouras muitas delas inclusive, pois jamais será possível ter algo sem fundamento.

Fiz entender tudo que digo cá?

Já tentaram construir casas sem fundamento? Bem... Tentam infelizmente construir uma sociedade de tal maneira.

Mas a maluquice vem a ser sedutora quando se sabe que mais prazeroso, mais fácil, menos careta, menos reaça, será fazer construções ao vento. Daquelas de bem empatar às vistas, sem melhores, até! Quem apego já não criou com qualquer ilusão? Parecem mocetonas mas abraçamos em verdade fantasmas.

Ora: mas não tem gente que se contenta com se masturbar?

Voltemos às construções. Satanás é grão arquiteto! Traveste-se de grão arquiteto do cosmos inclusive. Seu conhecimento porém é mais de qual ou tal dinamite poderá derrubar o prédio tal ou qual específico. São construções dos espíritos humanos? Espirituosamente são danadas. Mas como?

Com algaravias ideológicas escolhidas a dedo: que soam como, por exemplo, música popular brasileira.

Bem...

Afinal a pergunta que não quer calar: de que são feitas tais construções espirituais e não espirituosas?

De tradição cultural.

sábado, 15 de julho de 2017

Espírito de Seita



Já me cansa no conservadorismo sua defesa tão ridícula quanto boboca de que toda verdade só pode ficar, e bem estanque, na sua posição: jamais então nas ideológicas divergentes. Eis um comportamento comum da canhota bem assimilado! Sem assimilar a perspicácia rubra no “vamos ver” político todo conservadorismo ranzinza de nossos dias cria mais um espírito de seita...

Como se precisássemos de mais!...

É possível dialogar assim? Aí sim... Jamais e nunca! Não vemos seres humanos do lado que se nos opõe politicamente mas prodígios infernais a serem abatidos: e depressa. Não enxergamos? Sim. E religiosamente. Mistura religião nessa gororoba!... Ficará tão indigesta que nem comer carne podre crua. Nem discuto sobre dogma mas das más interpretações acerca de dogmas...

Coisa de quem logo deseja separar joio de trigo. Não será julgar precipitadamente? Com exemplos esclarecerei todo comentário que fiz até cá.

Sem qualquer conhecimento, nem que seja mínimo, do Carnaval chegaram a dizer que tal festejo não é cultura. Pergunta minha mana retoricamente bem: “Então que significa cultura?”. Dou risada. 

Tamanha discussão não é nova: só piorou com o tempo. Piorou demais até depois de levarem como tema Nossa Senhora no desfile das escolas de samba paulistanas. É pólvora com fogo portanto! Misturar sagrado com profano não dá: sem dúvida. Mas daí por um erro tremendo cometer outro de descer a lenha no Carnaval sem qualquer ponderação... Ah: vá te lascar! 

Deve ser difícil estudar algo tão diferente daquilo que nos é costumeiro. Contudo não é dos maiores objetivos com os estudos compreender algo que desconhecemos? Idiotice grande pois espernear afirmações mais aparentadas com impropérios: que nem decidir com tamanha “perspicácia” tudo que pode ser ou não cultural! 

Mais? Incompreensões do paganismo que demandam mal proselitismo cristão e só... Deturpações históricas patentes a defender sua laia... Negar até pontos ideológicos conservadores importantes, que nem o valor da tradição, só para salvaguardar farisaicamente sua doutrina de cruz-credo (Tal último tem que ver exemplarmente com o tradicional espírito revolucionário pernambucano).

Pelo jeito parece que, concluindo, não é boa coisa tomar posições ideológicas de qualquer matiz... Ê vida!



sábado, 10 de junho de 2017

Afirmações à Brisa que Passa

Tenho gata preta... Leio coisas esotéricas... Amo ver ritos com lindas mulheres vestidas de céu...

Sou do Catolicismo. Fora paganismo!

Pediria bênção a Lua Serena? Sim. Ia pôr ela numa fogueira? Jamais!

Espírito Santo que sopra por onde quer...


sábado, 3 de junho de 2017




O povo da canhota só sabe depredar: desde depredar o patrimônio público chegando, ser não impedido for, até na depredação da própria civilização na qual sobrevive! Vandalismo puro.



Fora Temer! E Lula na cadeia! Jamais então um pedido sem outro. Quem não adotar ambos vai pôr em risco seu bom-senso no mínimo!



Por incrível que pareça nós temos enfim no Brasil uma política saudável: esta não existe sem confronto. No mais: ao conservadorismo meu viva!



Lula voltando vamos entregar as vidas das crianças em gestação a Baal definitivamente. Não hei de sujar assim minhas mãos em sangue de seres inocentes! E já me sujei demais no passado... Basta!



É para derrubar Temer sim! Apoiar gente bandida por uma suposta segurança nas instituições governamentais, que vão caindo de podre por sinal, imoral é.



A nossa constituição é mais remendada que colcha de retalhos!... Constituição que no seu conteúdo não se mantêm é constituição? Algo para nos questionarmos assim.



O problema do conservadorismo por inúmeras vezes é se misturar promiscuamente com gente liberal... Há de se ter cuidado nisso! Que nem quando dão algum apoio para reformas vis que nem as que sofremos hoje saídas do Jaburu.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

A musicalidade da língua portuguesa não é maravilhosa? Mas infelizmente sem a comunhão com as músicas instrumentais ditas eruditas tal idioma se pronuncia. Não somos Itália! Porém ainda teimo que ganharíamos mais além do que por hoje ganham as gentes da bota pois arrisco que nossa tão maltratada língua seja mais musical.


Quem deseja defender novas idéias bem ou contribuir decisivamente para debates intelectuais de relevância parte do pressuposto de já conhecer com desenvoltura sua cultura. Bom acrescentar: apesar de termos a tacanha cultura brasileira! Toda criança balbucia tudo que tenta dizer a partir dos ensinamentos maternos e não através de poliglotas com renome.


Ninguém de Pernambuco será capaz de se sobressair intelectualmente negligenciando sua tradição natal. Digo tanto não só por causa de qualquer educação que só pode se desenvolver a partir dos elementos dados pela cultura materna mas também por ser a Cultura de Pernambuco singular em sua grandiosidade diante da mesquinhez brasiliana.

Quem aquilo que vai dito de provinciano chamar ou, pior, de bairrismo só poderei dizer: “Tua mãe, grande freqüentadora do Chanteclair em seus tempos áureos, discorda de ti com veemência”.


Pereira da Costa tinha boa proposta de brasão novo para Pernambuco. Mas o nosso pavilhão é perfeito: portanto mudar em nada com exceção de pôr em acréscimo duas estrelas a mais para ladear a já posta.


Fernando Pessoa não era bom ocultista. Gente que sabe bem ocultismo não foge de ser uma boa charlatã. Tal afirmação sem titubeio vai bem exemplificada na vez em que Crowley tem encontro com Pessoa. Portanto devemos nos debruçar sobre “Mensagem” e não dedicar atenção ao “Livro da Lei”.


Os harmônicos acordes da música por excelência certamente são melhores que quaisquer notas dissonantes dadas em sons juvenis atuais. E não dá para dissociar Deus daquilo que fazemos em música de melhor e nem abandonar as associações feitas a Satã com as quebras desafinadas de composições ditas musicais. Assim não entendo tanto rebuliço quando se bem afirma que ritmos juvenis hoje podem ter interferência satânica profunda.


Musa de Quipapá... Musa do Forró sem Pé nem Cabeça... Musa “Gentil” da Copa... Musa do Rebolado... Musa da Ninfa Calipso... Musa da Puta que Tantas Supostas Musas Pariu! Chega! Vamos entender: existem só nove Musas! E mais uma pois assim foi nomeada por Platão. Safo, portanto, vem a ser único ser humano que faz parte do panteão das Musas pois quem lhe deu tal privilégio tem cacife. Não esqueçamos: Platão é divino!

quarta-feira, 29 de março de 2017

Namorando

Bem... Antes de tudo dedico para minha querida prima Carlinha, rosa vermelha de jardim, o texto que segue.

Certamente: defendamos com unhas e dentes o conservadorismo! Não por ser ideologia mas por nada termos além de tão próximo da realidade quanto. Sejamos então coerentes? A canhota não se compõe tão-só de barangas ou tribufus. De Jandiras e Dilmas. As nossas queridas conservadoras são Afrodites de lindíssimas meu Deus do céu? Sem qualquer dúvida! Contudo lhas exaltemos aos céus sem menosprezar com exageros depreciativos, a transmitir inverdades até, quem vai na contramão do bom senso.


Vamos citar nomes? Algo bom é lembrar da beleza que sim ainda sobrevive bem vestida lamentavelmente na cor encarnada. Que tal?

Aline Piva... Manuela d’Ávila... Leandra Leal... Márcia Tiburi (Sim: Márcia Tiburi!)... Não esqueçamos também dos vários lindos seios de fora na marcha das vadias.

Sei que tais mulheres jamais verão bondade nos meus elogios externalizados aqui. Tantas delas inclusive ficam cada dia mais feias enquanto mais veteranas em ideologias revolucionárias. A revolução nunca foi bonita: nem a pernambucana. 1817 só foi belo na manutenção da nossa tradição política vinda tanto da restauração quanto de 1710: jamais pelas importações iluministas de França portanto.

Conseqüentemente só quem faz boa toalete vem a ser as supostas carolas e puritanas. Infelizmente!


Rezemos a Santa Maria Madalena para que todo coração transviado volte seus olhos à beleza da verdade que, no caso das beldades acima citadas, faz-se presença nos seus corpos nus quando contemplados ante seus espelhos. Espelhos, bem se diga, tanto materiais quantos psíquicos: estes compostos de bons exames de consciência. 

Que viva Sofia!

segunda-feira, 6 de março de 2017

Ode Nacional


Onde se faz honesta revolução.
Onde se tem Minerva novamente.
Donde também Amor Divino presente
Geometria traz: constituição

De três poderes só... Santíssima Trindade!
Com esquadria compasso vai traçar,
Oh, linda Madre da República, nosso lar!
Supremo Saber aqui canta verdade.

Capitã Beatriz quis Maria que nem
Espírito Santo pois és bendita,
Lindóia, selvagem: portanto vais sem
Mácula... Paraíso que nos habita!...

Por onde boa vontade qualquer então educo.
Nação e Povo nobre: Pernambuco.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Um pé d’água se deu num dia todo dias atrás. Por alguém, em vez de se referir ao tempo fechado com a cor escura costumeira, foi referido com a cor branca. Daí fui dar espiadela no céu.

Também cabe se referir a tal tempo como céu todo branco de chuva. Mas... Qual motivo? Sabemos o sol de luz branca. Seus raios dispersados nas nuvens as deixam também com a mesma cor.

Então me lembro de quão sensível foi tal vista que não se deixou levar pela descrição comum de tempo cinzento. Quase que nem a da noite: pior esta vem a ser pois a noite não é negra mas azul escuro.

+

Em Glória do Goitá conheci seus mamulengos. Atenção por um deles tive que levei-o para casa. Seu nome: chibana. Mistura de calango com jacaré mais serpente. Nem me venham lembrar dos ornitorrincos! A chibana: perfeita.

+

Convivência mais boa conversa são as duas melhores pedagogias que conheço. Delas temos seu melhor proveito quando bem conversamos e convivemos com pessoas que são verdadeiramente nossas amigas. Qualquer criatura que pretende ser intelectual deveria saber disso.

+

Já que gente cinéfila faz tanta questão em ver cenas de nudez nos filmes hei de propor então o seguinte: quando forem gravar tais cenas é bom não deixar só quem atua sem vestes mas igualmente todas as pessoas que participam na gravação. Quaisquer mostrarem assim seus atributos naturais... Que tal? Venhamos e convenhamos: quem atua ficará mais confortável para gravar cenas tão libidinosas. Não é?

Certamente que toda cinefilia vai gostar apaixonadamente demais dessa proposta. Comprarão sempre filmes que venham com o bônus dos bastidores... Ou melhor: estenderão tal proposta também às salas de cinema! Bem... Não contem comigo: prefiro ver em casa.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Estou percebendo que com Espinosa foi malfadado todo projeto filosófico talvez bem executado por Mário Ferreira dos Santos... A saber: demonstração em modo geométrico.


A paz de Jesus Cristo não vem a ser aquela de Nando Cordel. Nem a das inumeráveis ONGs epidêmicas por hoje. Tampouco qualquer ONU traz ela consigo. Talvez a comparação mais acertada seja com a romana: “Se queres paz te prepara para ter guerra”. Com observação acrescento: César nunca dará verdadeira paz que nem a cristã. “Quem tem ouvidos ouça!”


Ninguém pode sair acusando quem quer que seja sem provas. Bem... Óbvio: não? Entretanto parece não ser tão óbvio quando se julga por aí nosso tão difamado Catolicismo. Saber o mínimo sobre tal instituição religiosa virou para muita gente por inúmeras vezes exigir que se faça tese de doutorado sobre. Santa Virgem de Cimbres! Ignoremos então! Ignoremos então! E vamos mentir sem dó nem piedade!


Tenho pavor de quem sai dando suas opiniões sem o mínimo de conhecimento daquilo que discute. Cadê senso de realidade? Sem noção! Vamos procurar saber então seu parecer sobre ter algum bom senso? No mais pessoas opiniáticas deveriam tomar no... Curso superior de Biblioteconomia!


Quem for ensinar História nas escolas mando recado: se qualquer estudante chegar para mim contando mentiras sobre quaisquer episódios históricos eu vou pedir com urgência seu desemprego. Serve também para quem ensina qualquer das ditas ciências humanas ou quem mais se meter nos assuntos tão-só possíveis de serem tratados nelas e só nelas. Vá procurar outro trabalho mais condizente com ignorância tal!


A pessoa quer fazer algo sério mas uma turbamulta sem vergonha só quer “causar”... Quer saber? Conclamo quem tem responsabilidade para nós arriarmos as calças e saias da galera bagunceira: nela danarmos assim um chicote de sangrar nádegas.

Observação: em mulheres bonitas bastam palmadas. E de leve.


Nada de golpe militar. É quase certo que vamos cometer os mesmos erros, ou piores até, se for ao contrário. Nossa situação é difícil mas é por tal momento que mais precisamos de cabeça fria. Coragem temos quando com serenidade lidamos também.



25. 03. 2014
Manhã / Tarde

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Por incrível que pareça já recebi numa de minhas nádegas apalpadela de mão fêmea. Faz tempo. Nós éramos mais jovens com hormônios à flor da pele. Bem... Gostei! Depois não compreendo tantas reclamações para meras cantadas... As mulheres sofrem demais! Só que não percebo.

Galanteios são algo completamente diverso das agressões verbais. Portanto não vamos meter uns com outras no mesmo saco. Bom lembrar: a moça que me fez festa na nádega só fez por troça. Que pena! Bem... Então eu poderia me revoltar e dizer: assédio! Mas não.

É preferível compreensão em vez de vítima se fazer e ficar reclamando sem necessidade. Não hei de morrer por causa de troças. E, quem sabe, mulheres realmente não sofram por levarem elogios por aí com leve sabor de pimenta. Mas... Enfim: estou talvez a vos fazer um discurso com requintes de crueldade...

Sabe-se lá!

+

Impressiono-me deveras o quão ignoramos coisas importantíssimas... Chega dá gosto de ler os conimbricenses! Explicando bem frase por frase nosso grão Aristóteles. Hei de tentar aprender latim para depois tomar os estudos coimbrãos na fonte. Por enquanto só com livros introdutórios e traduções de fragmentos. Mas já contente por conhecer algo que realmente preste.

+

Quando se falam, vez por outra, de crianças, em livros historiográficos principalmente, com grande pesar acentuam que todas elas foram educadas em tempos atrás que nem pessoas adultas em miniatura... Horror! Mas educamos as crianças sempre para ficarem retardadas ou para crescerem? Os desenhos animados, por exemplo, facilitam qualquer aprendizagem. Bem... Aprender não amadurece?

+

Com a reforma litúrgica do Conciliábulo Vaticano II todas as igrejas hoje tocam as músicas mais inadequadas que todo mau gosto possibilita. Dar pontapés em desde belíssimas composições polifônicas ditas clássicas até, maior de todas e quaisquer composições musicais litúrgicas, o cantochão é trabalho de quem realmente não só tem um profundo mau gosto mas tem tal gosto morando nas profundas dos infernos.

+

Quando com dor de cotovelo meus ouvidos vão atentos ao brega: várias vezes inclusive da pior qualidade. Com dor espiritual mais séria, luto por exemplo, prefiro dar ouvidos, até por demais, a música clássica. Mas enquanto dói sem trégua não tendo qualquer razão aparente desejo bem ouvir o fado português.

É: tal dor última se chama Saudade.

+

Não compreender quem poesia faz por escrever diuturnamente sobre mulheres é revelar um mau gosto sublime. Que desgosto! Raríssimas pessoas, assim privilegiadas, viram anjos diante de si: portanto com exceção delas nada de tão belo poderemos contemplar além da mulher em nossa vida fugaz. E que, sendo possível qualquer abominável discordância, toda língua se cale!

Sim: mandar a língua se calar é mesma coisa que mandar calar a boca... Tudo bem?




15. 02. 2014
Noite