quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Uma Religião sem Devoção?


Em vez de nós continuarmos com as adorações ao Santíssimo costumeiras de quarta-feira damos espaço na segunda semana deste mês para discussões com as famílias sobre... Família!

“Família. Família. Papai, mamãe, titia!”...

Sim: importantíssimo tema! Contudo quase nada resultará discutindo sobre no laicato. Por qual motivo? Tais encontros só servem para jogar conversa fora.

Nós, gente católica, deixamos de rezar para conversar hortaliças. Seguindo livrinhos da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil que deixam a desejar no quesito devoção religiosa.

Reino de Deus é justiça social... Jesus parece que só veio para gente pobre! Quando não descamba para pregar a Teologia da Libertação de forma mais ou menos velada temos algo piegas dito...

Mas... E rezar? Adorar a Divindade? Satisfazer o desejo de Nossa Senhora com a recitação do seu Rosário? Não! Precisamos discutir as injustiças mundanas.

Sinceridade? Já não tenho mais paciência! Desejo ser uma pessoa devota. Devoção a Jesus. A sua Santíssima Mãe também. E não só dentro do meu quarto mas igualmente com a minha comunidade.

No templo quero ficar perto de Deus e não ficar nas adjacências de Câmaras Municipais ou Prefeituras. E sobre família? Deixemos o sacerdócio tratar em suas homilias dominicais dela.

Volto com sede para minha religião. Ai de quem impedir minha vontade da Fonte de Vida tomar: “ainda que seja de noite”!


+


Na procissão em 2013 de Nossa Senhora do Carmo fui por exemplo presenciar:


  1. Testes de som em trios elétricos enquanto se celebrava missa;
  2. Trios elétricos (inclusive tendo por um deles grandes garrafas de Pitu como logotipo de propaganda);
  3. Gente “bicada”;
  4. Músicas para fazer a “galera vibrar”;
  5. Crucifixo não na frente do cortejo que nem o costume mas no “cu” do trio;
  6. Moças em danças para lá de recatadas a ponto de quase mostrarem a “flor do Carmelo”.


Mais? Andor de Nossa Senhora muito bonito, Bruno! Só não gostei das cabeças dos anjos na parte de cima da berlinda. Todavia meus parabéns! Uma coisa boa portanto no meio de tanta...

Melhor esquecer.


+


Faz alguns anos que meu pastor arcebispo proíbe de celebrar algumas missas dominicais após algum horário do domingo para que todas as suas ovelhas participem da grande missa celebrada por ele no Pátio do Carmo: lá no Recife.

Quais são as missas que com ordem tal sofrem? As de Pentecostes principalmente. Pode? Por conta disso lhe mandei recado na festa de Pentecostes derradeira. Vamos ler então a seguir.


“Inadmissível! No dia de Pentecostes as comunidades não podem celebrar suas missas a partir de meio-dia do domingo por causa da celebração no pátio do Carmo? Bem... A minha comunidade ficou sem sua missa. Nem ela se quisesse celebrar por conta própria pedindo para qualquer padre poderia pois ‘são ordens arquidiocesanas’... Inadmissível: repito! Ficamos sem a missa dominical. Pior: em Pentecostes! Imaginemos se Sua Santidade também resolvesse fazer a mesma coisa: todas as paróquias na face da Terra não celebrarão suas missas a partir de meio-dia do domingo pois o papa deseja que na praça de São Pedro todas as pessoas católicas se reúnam para celebrar Pentecostes... Ideia maravilhosa da grande celebração sim mas poderia ser sem impedir cada comunidade de também celebrar Pentecostes em qualquer horário no dia de preceito? Padres já são poucos! Entretanto nossa missa depois do meio-dia não haverá por conta das tais ‘ordens arquidiocesanas’... Impedir de celebrar missas então? Nem preciso frisar a NECESSIDADE que temos das missas. Tampouco do quão a missa tem importância.

No mais consultar o Código Canônico: por exemplo no Livro II quando trata de fiéis. Não cometo desobediência portanto pois obedeço minha fé católica”.


Nenhuma resposta recebi por enquanto.

sábado, 24 de agosto de 2013

Oração ao Santíssimo Sacramento


Nosso Senhor Jesus Cristo.

Toda cristandade por hoje vai perseguida sem trégua pois acreditamos em vós. O mundo teima não aceitar a vossa salvação. Então vos pedimos, Deus Salvador, que tenhamos força para conseguir enfrentar com coragem as dificuldades advindas de quem na verdade não nos persegue mas a vós tão-somente.

Muitas igrejas foram incendiadas e saqueadas em cidades egípcias. Fiéis até não puderam celebrar a festa de vossa Mãe que subiu para vosso reino: reino perfeito sem comparação com os mundanos daqui da Terra. Já sofremos perseguição por nossa cultura moderna que se faz mouca para vossa boa nova. Mas também podemos o martírio sofrer enquanto levamos a vossa palavra por lugares onde se prefere dar ouvidos a Maomé.

Não desejamos qualquer intolerância, Senhor, mas necessitamos levar a vossa palavra para todos os povos como nos ordenastes fazer. Assim se não a podemos levar em paz ao menos, novamente vos pedimos, tenhamos força para conseguir enfrentar com coragem as dificuldades advindas de quem na verdade não nos persegue mas a vós tão-somente.

Por vossa gloriosa paixão e morte de cruz.


Rezada na Capela de São Francisco
Vitória de Santo Antão
21. 08. 2013

terça-feira, 20 de agosto de 2013

A coloração das penas do galo.
Também um arco-íris.
Os doces das crianças...
Suas mães que dão comidas às galinhas.
Os pintinhos.
Chuva!
Tudo que nasce da Terra:
Poleiro.
Sustentação dos seres vivos.
Aliança com a divindade.
Sol.

06.02.2011
Tarde



Dialogar... Ê dificuldade! Bom saber: o diálogo porreta só temos com quem diverge de nós. A partir daí nos questionamos: por qual motivo tal criatura não pensa que nem eu? Melhor do que criar uma justificativa só nossa, desonesta por sinal pois desconsideramos o divergente parecer, é perguntar a razão da tomada de posição oposta. Quero ver!... Quem encara?




15. 11. 2012

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Entre Paganismos 1


Hoje presenciamos o renascimento de religiões pagãs nas plagas européias e também estadunidenses. Evidente que tal fenômeno também há de se dar aqui pois as influências do norte do globo são freqüentes, e pesadas até, sobre sua parte sulista...  Pesadas?

Esclareço.

Cá sempre tivemos religiões pagãs próprias. E sem precisar serem inclusive renascidas! As de matriz africana por exemplo. Contudo também temos agora paganismo com seus panteões estrangeiros...

Então sou contra qualquer influência de fora que nem a loucura de Policarpo Quaresma?

Não.



Entretanto sabemos do paganismo sua ligação com a natureza. Será portanto que ritos estrangeiros podem ser adaptados ou transpostos até para nossas florestas brasílicas? As religiões de matriz africana nasceram aqui... Conhecem como ninguém o meio natural no qual se fizeram...

As florestas de cá não são nem similares as florestas de lá. Para saber é só comparar os elementos tanto dumas quanto doutras. Enfim: é mais fácil por cá no meu quintal ver a passear Iansã que fadas célticas!

Talvez a proposta de reverenciar a natureza se diversifique tal qual cada lugar onde se faz o rito sagrado. Cada local tem ambiente natural próprio. Magia grega feita no Japão eficaz é que nem em sua terra? Suponho pela negativa.

Conclusão: é mais condizente para quem opta pelo paganismo nas terras ao sul da Terra tomar para si religiões pagãs oriundas de seus respectivos territórios que forasteiras.

Porém humildade tenho para mais estudos e melhores esclarecimentos.

sábado, 3 de agosto de 2013

Cantar Prostituído

Que digo pois de ti?
Mulher tão atraente
Bem és! E certamente
Com outra nunca vi
Maior se ter disputa
De gente tão honesta
Que só sabe que presta
Trepar contigo... Puta!

Mas não só gente sábia
Consórcio tem contigo:
Tem besta que perigo
Cai bem na tua lábia.
Casar até quem queira
Tu podes encontrar...
Boboca! Vai tomar
A mão duma rameira!

Tão doce tens um ser:
O belo que carnal
Comporta bem. E mal
Que só pode sofrer
Quem sem pudor disputa
Pois qualquer atenção
Se tua for então:
O teu mal, prostituta.

Meu canto te dedico,
Mulher de Satanás!
Das tuas ações más
Ouvidos meus penico
Fizeste por demais
Contando-me... Sem mais!
Ouvir tem pois quem queira
Conversa de rameira?

Que digo pois de ti?
Mulher tão atraente
Bem és! E certamente
Com outra nunca vi
Quem sem pudor disputa
Por qualquer atenção
Se tua for então:
Atenda pois, oh puta! 


17. 03. 2013
07. 07. 2013